Connect with us

Copa SC

Goleiro Matheus aciona o Joinville na Justiça

O turbilhão de problemas extra-campo segue atormentando a vida do Joinville. Neste mês, o goleiro Matheus entrou com uma ação na 2ª Vara do Trabalho cobrando valores pendentes que possam resultar em uma rescisão unilateral do contrato, válido até o final de 2019. Até o momento, o clube garante ainda não ter sido citado oficialmente. Enquanto isso, o arqueiro segue treinando com o elenco profissional.

Revelado pelo Joinville em 2016, Matheus possui 58 jogos com a camisa Tricolor, alternando em atuações no Campeonato Brasil, Estadual e Copa do Brasil. Nos últimos meses, entretanto, com a chegada do goleiro Vilar, o jogador perdeu a condição de titular e ainda não atuou durante a Copa Santa Catarina.

Procurado pela reportagem, Matheus ainda não se posicionou. O processo foi analisado e despachado pela Juíza Tatiana Sampaio Russi, com última atualização no dia 16 deste mês. Ainda não é público, porém, mesmo com a oficialização da reclamatória, o montante solicitado pelo atleta visto os recentes atrasos de salários do Joinville e a falta de recolhimento do FGTS durante o ano de 2017.

  • O que diz o clube?

Procurados, Roberto Pugliese Júnior e José Acácio Picinini, membros do departamento jurídico do JEC, garantem que só vão se posicionar após o clube ser citado oficialmente. Abaixo, veja a fundamentação do processo protocolado nesta semana.


Na mesma linha, o executivo de futebol Agnello Gonçalves garante que Matheus seguirá treinando normalmente até receber algum posicionamento dos advogados do clube.

  • Existem exemplos de rescisão unilateral no futebol?

O artigo 31 da Lei 9.615/98 prevê a possibilidade de rescisão de contrato em caso de atraso do pagamento de salário ou de direito de imagem de atleta profissional, no todo ou em parte, por período igual ou superior a três meses, assim como a obrigação de recolhimento do FGTS pelo empregador.

No futebol, Wagner (Vasco), Diego Cavalieri (Fluminense) e Aranha (Ponte Preta) são alguns exemplos de processos amparados por pedidos parecidos com Matheus. O desfecho, porém, nem sempre culmina com a saída dos jogadores dos clubes em questão. Tudo dependerá da atuação defensiva do clube, demostrando os motivos para os débitos pendentes e o se comprometendo em resolver o processo..

Em 2014, por exemplo, o volante Luiz Antônio perdeu a batalha jurídica contra o Flamengo enquanto fazia parte do elenco do clube, cobrando salários, luvas e premiações. Afastado, o jogador perdeu as seis tentativas contra o clube e teve que se reapresentar dias depois para seguir cumprindo o vínculo ativo. Após o episódio, porém, o defensor não conseguiu se firmar no rubro-negro e antes de ser emprestado para outras equipes ganhou o apelido de “processinho” dos torcedores cariocas.

Texto: Gabriel Fronzi
Foto: Beto Lima/ JEC.com.br

Deixe seu Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Mais em Copa SC