Connect with us

JEC

Presidente do JEC rebate declarações do ex-treinador

Foto: Júlio Cesar/JEC.com.br

Em reunião desde as primeiras horas da manhã, o presidente do Joinville, Vilfred Schapitz, não pôde participar do programa Sport News, ao vivo, nesta sexta-feira, para esclarecer as críticas e acusações do ex-técnico Danilo Portugal, que teve seu desligamento oficializado ontem, dia 27.

De qualquer modo, o mandatário procurou a nossa equipe no início da tarde para dar a sua versão e rebater o que foi dito pelo treinador em entrevista ao programa Clube Esportivo, da Rádio Clube.

Leia mais:
+ Polêmica! Danilo Portugal desmente diretoria do JEC
+ Centroavante e treinador deixam o Joinville

Confira abaixo os principais trechos:

EJ O Danilo disse que somente parte do elenco, aqueles que viajaram para o duelo decisivo para Maringá, tiveram os salários atrasados quitados. E que quando ele retornou, jogadores (mais de um) e membros da comissão o procuraram para cobrar. Como é que foi realizado o procedimento na ocasião?

Vilfred Schapitz – Posso afirmar a vocês que na viagem do dia 29 (para Maringá) foram pagos todos os salários dos atletas, e não somente dos que viajaram. Tivemos um problema no banco na sexta-feira, quando iríamos pagar todo o auxílio-moradia, mas foram depositados pela boca do caixa na conta de cada um. Tanto é que no sábado alguns já haviam recebido. Portanto, o que ficou pendente naquela ocasião foi apenas o auxílio-moradia. Quando viajaram todos os atletas estavam com a folha de salário em dia!

EJ – Diferente do que garantiu o supervisor de futebol Adilson Fernandes, o treinador disse que nunca houve acordo com o JEC. Somente que existiu uma conversa depois da Série D, onde ele fez algumas exigências e o clube não aceitou. Foi isso?

Vilfred Schapitz – Sentei com ele, conversei. Achei que o trabalho dele foi muito bom e por isso tinha interesse que ele desse sequência para a Copa Santa Catarina. Ele ficou de pensar e no dia seguinte deu um retorno para o Adilson Fernandes, solicitando aumento de salário e uma garantia de emprego até abril do ano seguinte. Neste momento, não temos condições de dar garantia de emprego a ninguém, então recusamos a proposta.

Ouça na íntegra a resposta do presidente:

 

Texto: Thiago Borges

2 Comments

2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Mais em JEC